sexta-feira , julho 21 2017
Servidores acompanharam sessão que apresentou projeto.

MACHADINHO – Sindicato diz que projeto do executivo prejudica servidores efetivos

Sindicato mobiliza servidores para lotar plenário da Câmara no dia da votação para sensibilizar vereadores a votarem contra proposta do executivo


O Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Machadinho (SINTRAM) promete endurecer a luta contra o projeto do executivo que prevê a reforma da estrutura administrativa. O projeto já está na câmara municipal e foi lido na sessão de segunda-feira (08), porém não chegou a ser votado.

De acordo com o presidente do SINTRAM, Edson Casarão o projeto cria 90 cargos comissionados e que apesar do mesmo projeto prevê a extinção de um número quase igual de cargos, deverá causar um impacto orçamentário na ordem de mais de 800 mil reais ao ano, incidindo diretamente no índice da folha de pagamento o que inviabilizaria que o executivo conceda os direitos já conquistados pelos servidores efetivos como, por exemplo, as revisões salariais, as progressões verticais, insalubridades e outros.

O presidente citou que existem vários processos parados, onde os direitos dos servidores efetivos não estão sendo cerceados sob alegação de dificuldades financeiras para que sejam cumpridos. “Se não tem como conceder os direitos dos servidores efetivos, então porque querem criar mais cargos e aumentar o valor das portarias? Não somos contra criar portarias, mas queremos que antes disso acontecer que os direitos dos servidores efetivos sejam respeitados”, citou o presidente.

De acordo com o presidente as portarias que estão sendo extintas não estão sendo ocupadas e que muitas outras estão sendo criadas e com valores bem acima das anteriores. De acordo com ele os novos cargos se estão sendo criados, certamente serão preenchidos, pois não haveria razão em criar cargos apenas por mero formalismo.

O Sintram informou que vem tentando dialogar com a administração sobre o tema, mas que só obtem como resposta que o município está com dificuldades financeiras, que o índice da folha tá muito alto não sendo possível conceder os reajustes e outros direitos dos servidores. “Se o município está falido, como alega a administração, como podem querer gerar um gasto que chega a quase um milhão de reais ao ano, com novas partarias? Quando e como vão conceder os direitos dos servidores?”, questiona o presidente.

De acordo com Edson Casarão o sindicato protocolou documento junto ao legislativo pedindo a interferência dos vereadores nas negociações junto ao executivo visando a concessão das revisões salariais e dos demais benefícios que são de direitos dos servidores efetivos, antes que o projeto polêmico seja votado.

Depois de lido na última sessão o projeto do executivo segue para análise nas comissões internas da Câmara para depois seguir para votação. Os vereadores Nego Toledo, Nilton Cezar, Baiano do Rodeio, Enocz Dionízio e a presidente da Casa Devani já se mostraram sensibilizados com a causa dos funcionários do município, garantindo que irão fazer análise minuciosa do projeto antes de votar.

Os servidores municipais prometem endurecer o jogo e lutar pelos seus direitos. A exemplo do que foi feito na última sessão, quando estiveram em grande número na Câmara, o SINTRAM está mobilizando a classe para lotar as dependências do poder legislativo para acompanhar de perto a atuação dos vereadores.


Fonte: Assessoria

Sobre Dario Bagalo

Leia também

Governo de Rondônia abre inscrições para preencher cargo comissionado com salário de R$ 8.241,44

Começaram no dia 13 as inscrições eletrônicas para o preenchimento de vagas em cargos comissionados …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *