sexta-feira , novembro 24 2017
Senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), autor do projeto

Pena para quem posta imagens de pessoas mortas na internet pode ser agravada

A ação é conhecida como crime de vilipêndio a cadáver e está prevista no Código Penal desde 2012.
Projeto de Lei do Senado 436/2015, do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), aumenta em até dois terços, a critério do juiz, a pena de até três anos de cadeia para quem compartilha fotos ou vídeos de pessoas mortas na internet. A ação é conhecida como crime de vilipêndio a cadáver e está prevista no Código Penal desde 2012.

Mais de 70% das pessoas que responderam a uma enquete do Datasenado concordaram que quem expõe essas imagens na internet deve ser punido com mais rigor. Na avaliação de Davi Alcolumbre, a alteração na lei é necessária por causa do alcance e rapidez do compartilhamento de informações pelas redes sociais.

— Não é possível que uma imagem forte seja disponibilizada na rede social, ofendendo a dignidade da família e da sociedade — disse o senador, ao defender o agravamento da pena.

A enquete mostrou, ainda, que para 72% dos entrevistados aumentar a pena vai ajudar na redução desse tipo de crime. Já 39% responderam que o agravamento deveria ser ainda maior. Alcolumbre disse que o resultado da pesquisa confirma a necessidade de mais atenção aos crimes digitais.

— Com todo o aparato tecnológico que temos a disposição da sociedade, muito rapidamente alguém registra uma foto, grava um vídeo e coloca na rede social. Não se preocupa com o que pensa a família, a comunidade — disse o senador.

A proposta aguarda designação de relator na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).


Com informações da Rádio Senado

Fonte: Agência Senado

foto pixabay

Sobre Dario Bagalo

Leia também

ID JOVEM – Jovens tem direito à passagens interestaduais gratuitas e à meia-entrada em espetáculos artísticos, culturais e esportivos

Por: Dário Bagalo Milhões de jovens de todo o país têm direito a aderir ao …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *