sexta-feira , maio 25 2018
Filhotes monitorados durante o período reprodutivo no Tabuleiro de Monte Cristo, Rio Tapajós (PA)

Programa Quelônios da Amazônia: 80 milhões de filhotes em 39 anos

Texto e foto: Ibama


Brasília (20/04/2018) – O Programa Quelônios da Amazônia (PQA), iniciativa de conservação da biodiversidade coordenada pelo Ibama, alcançou em 2018 a marca de 79,4 milhões de filhotes nascidos em razão do manejo realizado por analistas ambientais do Instituto, técnicos de instituições parceiras e comunidades ribeirinhas. O período de desova das espécies protegidas pelo PQA é de agosto a fevereiro.

Em 2017, a proteção e o monitoramento conduzidos pelo Ibama nos principais sítios reprodutivos da tartaruga-da-amazônia (Podocnemis expansa) contribuíram para o nascimento de 3,5 milhões de filhotes, o que representa aumento de 97,5% em relação a 2016. Três estados alcançaram seus melhores resultados históricos: Amazonas, com 1,3 milhão de filhotes; Pará, com 1,1 milhão; e Amapá, com 150 mil. O trabalho conduzido pelo PQA também garante a preservação de tracajás (Podocnemis unifilis) e pitiús (Podocnemis sextuberculata).

O resultado obtido pelo Programa em 2017 é superado apenas pelo de 2015, quando foram registrados 4 milhões de nascimentos.

Criado em 1979 para conter a exploração econômica predatória da tartaruga-da-amazônia no país e reverter o quadro de decréscimo populacional da espécie, o PQA monitora cerca de 50 mil fêmeas em idade reprodutiva em oito estados brasileiros: Amapá, Amazonas, Goiás, Mato Grosso, Pará, Tocantins, Rondônia e Roraima. Técnicos fiscalizam os locais de desova para evitar a caça, abrem uma amostra representativa de ninhos e registram medidas dos animais para avaliar as populações.

“O aumento no número de filhotes em 2017 indica que a redução observada no ano anterior foi revertida. Isso é bastante animador para a equipe”, disse o analista ambiental que coordena o PQA, Roberto Lacava.

Os estoques de quelônios são historicamente ameaçados por fatores como a destruição de habitats, processos predatórios e uso descontrolado. A pesquisa, a proteção e o manejo orientados à conservação têm como objetivo a recuperação populacional das espécies mais representativas da região amazônica.

 

Fonte: Assessoria/Ibama

Leia também

Decisão do STF impacta mais de meio bilhão de impostos em Rondônia

Aproximadamente quinhentos milhões por ano de impostos podem ser revertidos em créditos para empresas de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *